31 de janeiro de 2013

Na Fila... para Fevereiro

Mafi: 


Ne:



Estes são os livros que em princípio serão lidos e opinados aqui no blog. Desde o romance contemporâneo até ao histórico, passando por autoras consagradas como Nora Roberts, até às nacionais como Tânia Ganho. São planos provisórios e por isso em qualquer altura podem surgir outras leituras não incluídas aqui.

Queremos também saber o que lerão neste mês e por qual destes livrinhos têm mais curiosidade e qual é que anseiam por verem a opinião aqui no blog! Vá, é só deixar o comentário abaixo! 

Boas leituras para Fevereiro!

Agridoce de Janeiro

Ne: Janeiro foi um mês estranho para mim. Nem aqueceu nem arrefeceu... por isso esta escolha é um pouco dificil.

Mafi: Janeiro, felizmente foi um bom mês em termos de leituras, apesar de só ter dado 5 estrelas a um livro. Mas como todos os outros livros não foram más leituras tirando um ou outro, o ano até nem começou da pior maneira! Portanto sem mais demoras vamos ao melhor e pior do mês de Janeiro!
Ne:Anjo Sombrio, de Cynthia Hand, levou 5 cupcakes e eu adorei, ou seja, é o MAIS DOCE do mês. Foi mesmo daqueles livros em que o nível de entusiasmo vai aumentando, aumentando, até que no final explode e deixa-nos de lágrimas dos olhos de emoção e saudade.

Mafi: O livro MAIS DOCE que li foi sem dúvida A Menina na Falésia. Porque prendeu-me do início ao fim e li-o num ápice apesar de ser um livro com mais de 500 páginas. Fico a contar os dias para o próximo livro da autora, já a sair em Maio!


Ne: O MAIS AMARGO foi o Tormento, de Lauren Kate. Ele tem uma pitada de açucar nele e por isso é que foi classificado com 3 cupcakes, mas foi um 3 muito pequenino, muito meh (como diz a minha querida Mafi).

Mafi: Quanto ao livro MAIS AMARGO também não restam dúvidas quanto ao pior livro de Janeiro: Sonhos Encantados da Barbara Bretton. Não gostei deste livro pois tirando as últimas páginas, não acrescentou nada de novo à série e por isso foi uma tortura lê-lo!

A Sair do Forno: "Nas Asas do Amanhã" de Sarah Sundin



Quando o marido morre na guerra do Pacífico, Helen Carlisle oferece-se como voluntária para o esforço de guerra, a fim de ocultar os seus sentimentos. No entanto, manter a aparência de viúva inconsolável de um herói local está a deixar a sua marca. Em breve algo irá ceder. O tenente Raymond Novak prefere o púlpito ao cockpit. O seu trabalho a treinar pilotos de B-17 permite-lhe ter uma vida pessoal... e dá-lhe uma desculpa conveniente para ignorar o seu maior medo. Quando a bela Helen conquista o seu coração, ele mostra-se decidido a merecê-la e a desposá- la. Ray e Helen veem-se então forçados a arriscar as suas reputações e as suas vidas; irão eles enfrentar e conquistar os desafios que têm pela frente? E poderá o seu jovem amor sobreviver até ao regresso da paz? Cheio de drama, coragem e romance, Nas Asas do Amanhã encerra de forma magistral a popular série «Asas de Glória».

Disponível dia 19 de Fevereiro

Opinião Contemporânea: "Uma Luz na Escuridão" de Catherine Anderson


Depois de ler o Olhos Brilhantes também desta autora e de descobrir que havia uma ordem de leitura não descansei enquanto não arranjei o primeiro livro da saga Kendrick/Coulter/Harrigan dando inicio a uma maratona de leitura dos livros de Catherine Anderson.
Pelas opiniões que li, Uma Luz na Escuridão é um dos mais fraquinhos de toda a saga, e a minha opinião, ainda sem grande material para comparação, deverá concordar.
Achei este romance demasiado romântico mas com um grande potencial, visto que a autora escolheu bastante bem a temática, os cenários e, principalmente, o passado das personagens. O que acaba por diminuir o entusiasmo da leitura é o excesso de diálogo mais meloso e a repetição das mesmas palavras ou expressões nestes. Também não ajuda o facto do tradutor ter escolhido traduzir o "you" por você, criando assim uma distância maior entre o casal.
Achei Maggie uma personagem feminina que a autora tentou descrever como sendo corajosa e forte mas toda aquela hesitação em relação a Rafe torna Maggie demasiado indecisa e influenciada pelo passado. Esta minha opinião manteve-se ao longo do livro, só se alterando quando eles se abrigam na floresta. Aí sim, consegui distinguir a química e o amor entre eles, o que não aconteceu em nenhuma página anterior.
A fixação dela pela poupança do dinheiro e o facto de ele ferver em pouca água poderiam ter sido elementos naturais das personalidades deles, mas devido à repetição que referi anteriormente, estes pequenos traços são aumentados exponencialmente o que transforma um romance de grande potencial numa novela mexicana demasiado dramática.
Gostei de Ryan, tal como dos pais de Rafe, gostei da história base de "sapo vira príncipe" e gostei bastante do ambiente florestal.
O final foi bastante activo - um ponto positivo para um desenlace cheio de pormenores e de emoções.
No epílogo, com um ambiente tão romântico o tradutor vai por a palavra "rata" no meio! Má escolha de palavras para além de troca dos nomes dos dois irmão.Este final representa assim todo o livro: um bom romance, mas que acaba por ficar "estragado" com a escolha de palavras do tradutor.

Citação Preferida: 
"Sabes o que ele me disse imediatamente antes de partirem da Florida? Que o sexo era tão bom que tinha medo de morrer na cama." página 323

A opinião do volume seguinte, Amor à Primeira Vista, aqui.

No intuito de por a salvo a sua vida e a do seu bebé, das mãos de um padrasto violento Maggie Stanley, arrisca tudo numa fuga desesperada passando de um perigo para outro ainda maior. Desde a trágica morte da mulher e dos filhos, Rafe tornou-se num pobre vagabundo que lentamente afoga as suas mágoas no álcool. Assim que conhece Maggie, Rafe pressente que vão envolver-se em problemas. E quando Maggie é subitamente atacada por um grupo de vagabundos, Rafe, por compaixão, decide salvar a jovem mãe e o seu filho. Maggie está simultaneamente grata e preocupada com o seu novo protector. Na extrema solidão, na fase mais sombria que jamais viveu, a compaixão de um desconhecido, muito atraente mas pobre como ela, surge como uma luz na escuridão e proporciona-lhe o conforto e o carinho que sempre desejou e nunca teve. Rafe é bem mais do que aquilo que parece. É um homem enigmático e secreto, que poderia dar a Maggie o céu e a terra, não fora a circunstância de ter jurado a si próprio viver sozinho o resto da sua vida.Para sua surpresa, também Rafe descobre que pela primeira vez, desde há muito tempo, alguém necessita da sua ajuda e está determinado em não os desapontar. É que às vezes o amor surge sem aviso prévio e transforma o mundo mais frio e desapiedado num verdadeiro paraíso. E um homem a quem quase tudo foi roubado, uma mulher que perdeu até mesmo a capacidade de sonhar, e a criança desprotegida que de ambos necessita, podem tornar-se a mais improvável e a mais fabulosa das criações: uma família.

Baby Love (Kendrick/Coulter/Harrigan, #1) 


Título Original - Baby Love
Edição - Fevereiro 2008
ISBN - 9789725685938




Doce do Momento: "Nas Asas do Amor" de Sarah Sundin


Allie nunca foi suficientemente bonita para agradar à sua deslumbrante mãe, por isso fará qualquer coisa para ter a sua aprovação: até casar com um homem que não ama. Enquanto Allie quase se resigna ao seu destino, o tenente Walter Novak - destemido na cabina de pilotagem, mas sem jeito para as mulheres - vai a casa na sua última licença antes de ser enviado para a Europa, combater pela Royal Air Force durante a Segunda Guerra Mundial.
Walt e Allie conhecem-se e o seu amor pela música junta-os, fazendo-os começar uma correspondência que mudará as suas vidas. Enquanto as cartas vão e vêm entre a base de bombardeiros de Walt, em Inglaterra, e a mansão de Allie, a amizade que cresce entre os dois une-os. Mas serão eles capazes de resolver os segredos, compromissos e expetativas que os separaram?

30 de janeiro de 2013

Opinião Contemporânea: "O Verão dos Segredos" de Alison Lucy



Como eu bem disse aqui, mal o livro chegou a casa, as expectativas não eram muito altas pois as opiniões também não o eram. 

A verdade é que eu adorei o livro!! Ao contrário da Ne que o detestou, opinião aqui.

Alternado entre o passado e o presente,  entre o calor do México e a sobriedade de Inglaterra, Alison Lucy tem neste livro uma bela história familiar, daquelas que me deu um grande gosto em acompanhar.

Começamos em 1989, em Cancún. Para além de nos fazer apaixonar por esta cidade, com as belas descrições presentes no livro, ficamos a conhecer o casal Danny e Harriet. O que parecia ser uma viagem de sonho, rapidamente se transforma em pesadelo e a separação é inevitável. Harriet refugia-se num novo amor em Inglaterra e Danny, desolado pelos erros que cometeu, procura uma nova vida com aquilo que lhe sobrou: uma casa na ilha Des Amparados. Carente de afectos, encontra em Catalina e em Lucy dois escapes ao seu mundo em ruínas. Mal ele saberia que 9 meses depois três meninas iriam nascer: Megan, Claudia e Esmeralda.

As três mulheres que daqui para a frente teriam como único destino voltar à ilha onde o seu pai foi visto pela última vez, não poderiam ser mais diferentes. Ao longo da leitura são-nos apresentadas as duas vidas, os seus problemas, as suas angústias por nunca terem tido uma figura paternal nas suas vidas. Confesso que o meu favoritismo pelas irmãs foi mudando à medida que a leitura ia avançando. Ao princípio odiei a Megan, a típica adolescente revoltada. Não gostei da forma como ela tratou a mãe, mas mais para o final já adorava, especialmente quando se envolveu com a família da Esmeralda, a minha irmã favorita. Adorei a sua garra e a sua força de vontade! Quanto à Claudia, não desgostei dela e adorei o romance com o Sawyer. 

Sem dúvida que o que mais gostei foi o entrelaçar das 3 narrativas numa só. Acho que a autora conseguiu um enredo muito bom e complexo na medida em que nem uma única vez me senti baralhada com as histórias e os passados das três irmãs, sabia sempre quem era quem. Gostei da maneira de como o trio acabou por viajar até ao México, mesmo com objectivos diferentes!

É um livro cheio de surpresas que me agradou mesmo muito e só não leva 5 estrelas porque em comparação com outros não é perfeito! Mas é uma leitura recomendada, sem dúvida!


Por vezes temos de desvendar o passado para poder entrar no futuro…
Um verão inebriante.
Três grandes segredos.

1989
Os recém-casados Danny e Harriet chegam à sua paradisíaca lua de mel nas Caraíbas. Dias depois, Harriet regressa a casa. Danny fica destroçado, mas encontra consolo nos braços de duas mulheres. Nove meses depois, nascem três meninas...

2010
Megan deixa o seu namorado de infância para trás no Reino Unido e vai em busca do pai há muito perdido. A quilómetros de casa, encontra a tentação em cada esquina.
Esmé, uma beldade mexicana, casou com Miguel aos quinze anos. Ao desvendar os segredos do seu passado, poderá libertar-se dos grilhões do casamento forçado?
Claudia levou uma vida de privilégio, mas nunca soube realmente o que era ser amada. Poderá David ser a resposta?

The Summer of Secrets



Título Original - The Summer of Secrets
Edição - Agosto 2012
ISBN - 9789897260247





Pilha Cerebral: "Pilhas de Paixão"



Aqui fica mais uma pilha, a primeira internacional! Chegou-nos através do Luxemburgo pela Carla Faleiro, do blog Café de Letras

Quem é amante do romance histórico pinha o dedo no ar! 
Quantos já leram?

Obrigada Carla!

A Sair do Forno: "Corações Gelados" de Laurie Halse Anderson



«Eu sou aquela rapariga. Eu sou o espaço entre as minhas coxas, a luz do sol a derramar-se entre elas. Eu sou a auxiliar de biblioteca que se esconde na "Fantasia". Eu sou a aberração de circo enclausurada em cera. Eu sou os ossos que eles querem, ligados num molde de porcelana.» Viajei na terra dos Corações Gelados devido às inúmeras leitoras que me escreveram a contar a sua luta com distúrbios alimentares, automutilação e sensação de andarem perdidas. A sua coragem e sinceridade puseram-me no caminho para encontrar Lia e ajudaram-me a compreender a sua devastação. Embora não seja uma história da vida real, Lia foi inspirada nessas leituras, e por isso lhes estou muito grata.

Quentinho nas livrarias dia 26 de Fevereiro! 

Doce do Momento: "Tabu" de Jess Michaels

Tabu


Ao perderem-se no êxtase erótico que volta a renascer entre eles, Nathan Manning, conde de Blackhearth e Cassandra Willows, a mais famosa costureira de Londres e criadora de "brinquedos" sexuais, estão a tentar a sorte - ficando vulneráveis a um passado que ainda ameaça destruir as suas vidas e a sua paixão; à mercê de segredos sombrios e tácitos que são chocantemente, perigosamente… tabu.

Opinião Erótica: "Entrega Total" de Cheryl Holt


Com um começo muito prometedor, apesar de contraditório,visto ela ser virgem e desconhecer certas sensações.
Gostei da parte dela ser uma voyer da vida dos outros e do "amolecimento" dele, apesar de ser algo cliché.
O casamento deles e toda a situação que o originou foi uma das piores fantochadas que já li. A reacção dela foi péssima - não esperava nada assim de Cheryl Holt. Sarah parecia uma miúda aluada com um neurónio a menos! Detestei!
Não percebi porque é que a autora não preferiu emoções mais concordantes com a relação de Sarah e Michael, e assim acabou por tornar a personagem principal feminina em alguém muito flutuante, sem uma personalidade bem definida. Pelo contrário, parece que ela é bi-polar!
Tenho pena de ter lido o volume anterior há algum tempo e não me lembrar bem de James, mas gostei das referências às personagens anteriores, tal como ao seu aparecimento mais para o final.
Não gostei de Rebecca, por simbolizar o tipo de personagem feminina fraca e submissa.
Mas gostei de Pamela precisamente por ser o oposto de Rebecca.
Resumindo, esperava algo melhor. Mais uma vez descobri que por muito linda que a capa seja e por muito cativante que a sinopse pareça, o interior pode-nos desiludir.

Com os últimos bens perdidos ao jogo pelo seu dissoluto irmão, Lady Sarah Compton viajou até uma festa numa casa de campo para desfrutar de um derradeiro momento de graciosidade e de beleza. Contudo, ignora que a ocasião é igualmente um famoso evento, em que membros da aristocracia podem realizar todas as suas fantasias sensuais e caprichos eróticos. Tão-pouco se apercebe de que o homem maravilhoso que entrou furtivamente no seu quarto é nem mais nem menos do que Michael Stevens, um libertino que dá e recebe ousadamente prazer…
Filho bastardo de um conde, Michael Stevens usufrui da sua reputação como o mais famoso sedutor de Londres. Contudo, não faz ideia de como atuar perante a beleza ruiva que quase confundira com uma nova conquista, nem de como uma ingénua poderia ter sido convidada para uma reunião onde a entediada elite de Londres satisfaz os seus desejos carnais. Quando Lady Sarah Compton recusa seguir o aviso de Michael – o de abandonar a casa para seu bem – nasce uma forte atracão e ele anseia por ser o seu tutor na arte da paixão…
Era um jogo com apenas uma regra: o prazer final.

Título Original - Total Surrender
Edição - Agosto 2012
ISBN - 9789897260223

29 de janeiro de 2013

Primeiras Impressões: "Sempre que dizemos adeus" por Ne


Um negócio muito bom com a nossa Ruiba resultou neste livrinho de Anna McPartlin. Vamos analisá-lo mais ao pormenor.

O Título:

Faz-me lembrar o Melodia do Adeus ou aquela novela da TVI (?), Nunca Digas Adeus, ou lá como se chamava.

A Capa:

Muito fresca e primaveril. Sinceramente, agora que estamos no Inverno, olhei para ela e arrumei-a logo. Quando chegar os finais da Primavera, inícios do Verão, volto a olhar para ele e leio-o.

A Sinopse:

Três palavras: noiva em fuga.

A Paginação:

O tamanho de letra podia ser mais pequeno, tal como as margens inferiores... Se tivessem configurado tudo em tamanhos normais se calhar o livro tinha metade da espessura não?

Dúvidas/Expectativas:

Temo que seja um drama familiar... uiiii.... espero gostar.

Opinião Sobrenatural: "Direitos de Sangue" de Kristen Painter


*Livro não terminado*

Mal vi a capa de "Direitos de Sangue" tive uma vontade enorme de o ler, mas depois de ver a sinopse fiquei um pouco receosa pois não gosto muito de fantasia pura, e este livro parecia-me uma mistura entre Anne Bishop e Jacqueline Carey, autoras que nunca li nada mas que não me chama a atenção. Tirei a ideia de ler o livro mas como tive oportunidade de o ler por empréstimo iniciei a leitura com algumas expectativas, pois já tinha lido que este primeiro volume da saga House of Comarré até era um bom livro e queria ler algo diferente da maioria dos livros que leio, os romances.

Direitos de Sangue (Casa das Comarré, #1)O livro não me prendeu logo de início e quando isto acontece-me é como aquele ditado popular: o que não é direito, tarde ou nunca se endireita. Para mim, para além de outros factores como a escrita e as personagens, se a história nas primeiras páginas (pelo menos até à página 100) não cria o impacto desejado, então é porque não devo perder grande tempo com o livro (tendo tantos para ler). "Direitos de Sangue" foi um desses livros. História interessante q.b, tinha personagens bem construídas mas cada vez que me lembrava que tinha de ler o livro, a vontade era pouca, ou mesmo nenhuma. 

O conceito do livro é engraçado, um mundo onde os humanos desconhecem que existem seres sobrenaturais e onde os há várias casas e cada casa tem um chefe vampiro que se alimenta dos Comarrés que tem um sangue específico e que serve de alimento. 
Um dos problemas que tive foi toda a mistura de raças, vampiros, humanos, híbridos, fae...it's just too much! É que nem o romance do livro fez com que eu continuasse a ler o livro. A sério, não liguei a mínima para o Malkom e Chysabelle.

Enfim, acho que para os amantes de fantasia e fantasia urbana, vão gostar deste livro, acho que é um livro que vai de encontro a que este tipo de literatura tende a oferecer, da minha parte, como não sou adepta deste género não me identifiquei com as ideias de Kristen Painter.  Pelas reviews que vi dos próximos livros, quem gostou deste, já não gostou tanto dos outros e claramente não irei continuar a ler a série. 


Chrisabelle esconde no corpo as marcas douradas e os segredos das comarré - uma raça especial de humanos criada para alimentar a elite de vampiros nobres com o seu sangue rico e poderoso. O destino dela está traçado desde sempre: servir incondicionalmente o seu patrono. Mas quando este é assassinado, a vida de Chrysabelle muda por completo. Finalmente pode ser livre, um sonho que nunca se permitira ter e que depressa se transforma num pesadelo. Ela é a principal suspeita do crime e do roubo de um anel mágico. O anel que a ambiciosa Tatiana está decidida a recuperar, custe o que custar. Chrysabelle atravessa o Atlântico para provar a sua inocência, e nesta demanda o seu caminho cruza-se com o de Malkolm, um poderoso e irresistível vampiro que foi renegado e alvo de uma maldição. Ambos tentam combater a inegável atração que os une. Mas o tempo urge. Ambos têm de unir esforços para travar os planos de Tatiana, que pretende acabar com o mundo tal como eles o conhecem e fundar um reino de trevas. Direitos de Sangue é o primeiro volume da série Casa das Comarré e um best-seller internacional.

Blood Rights (House of Comarré, #1)
Título Original: Blood Rights
Edição: Janeiro 2013
ISBN: 9789892321639









Pilha Cerebral: "Ward Love"



Quem é que daqui nunca leu J.R.Ward? A Vera Carregueira do blog Crónicas de uma leitora já anda doida para comprar o novo da autora! Preferem os guerreiros da irmandade ou os anjos caídos?

Por aqui não conseguimos escolher, podemos ficar com todos?

Obrigada Vera! 

A Sair do Forno: "As Primeiras Luzes da Manhã" de Fabio Volo

As Primeiras Luzes da Manhã

Elena vive uma vida sem paixão. Mas agora, ao aproximar-se dos quarenta, a rotina fastidiosa que tomou conta dos seus dias e do seu casamento é cada vez mais difícil de ignorar. Deseja ardentemente uma mudança, mas o medo de arriscar é proporcional a esse desejo, e Elena continua à espera que seja a vida a tomar a iniciativa... Até ao momento em que ganha coragem e aceita o convite do colega de trabalho que há algum tempo se insinua junto dela. Este envolvimento intenso e inesperado inicia-a num erotismo pleno e sem tabus que a liberta e finalmente lhe abre caminho para a tão desejada intimidade com o seu próprio mundo afetivo.

Opinião Suspense: "Fumo Azul" de Nora Roberts


Graças aos desafios de 2013 e às leituras conjuntas que posso finalmente começar a diminuir a minha lista de livros da Nora Roberts por ler. O primeiro foi o Irmãos de Sangue e agora chegou a vez do Fumo Azul.
Ora, Fumo Azul, foi muito mais compatível do que o último livro desta autora. Penso que a culpa é principalmente das personagens, tão cativantes, principalmente a família italiana que nos é apresentada e vai ser acrescentada do ínicio ao fim.
Bowen Goodnight não pertente a este grupo, mas é uma das razões principais que me fez agarrar neste livro e devorá-lo em pouco tempo. Nora Roberts foi inteligente ao inserir a história deste personagem aos poucos, no inicio, quando ele não fazia parte da vida de Reena. Assim vamos conhecendo a sua "afeição" e a sua boa personalidade, para que quando a sua vida se cruzasse com a de Catarina não o achassemos estranho como ela!
Posso afirmar que Bo é neste momento o mais lindo, romântico, compreensívo, podre de bom, personagem dos livros de Nora. Quem não resiste a um carpinteiro humilde, corajoso, dedicado à sua mulher de sonho, de cabelos negros e olhos verdes? Perfeito!
A ausência de separação de capítulos, principalmente quando há saltos no tempo, foi um dos aspectos negativos da obra. Se fosse para o livro não ficar muito grosso eu compreendia, mas as folhas são espessas e ainda puseram cinco capítulos de um livro da Jill no final... por isso, a razão não foi essa.
Outra pior, ainda relacionada com o ponto anterior, é a ausência de parágrafos a separar cenas em que se troca de POV, que se nota bastante no final.
Quer dizer, Nora Roberts teve o livro todo a mostrar o ódio de Joey por Reena e depois... quase nada. Ainda por cima a descrição da cena pareceu-me um pouco baralhada. Primeiro estava a Reena a lutar com o Joey, depois descreve o Bo a ir ver dela, ainda por cima sem desconfiar pela demora dela, e quase no mesmo parágrafo o POV muda para a Reena outra vez? Muito confuso...
De resto, e se não contarmos com este último acontecimento, acho que a obra está muito bem construida. Cheia de pormenores acerca do fogo, do trabalho dos bombeiros, investigadores e polícias, etc. Para melhorar está a parte mais sentimental, da união da família, dos amigos como irmãos, das perdas, dos ganhos. Uma obra cheia de sentimentos e emoções e também de descrições de cenários e actos que nos transportam para lá. Mesmo ao género de Nora Roberts.

Citações preferidas:

"- Podias vir à minha casa beber café... só que eu não tenho café. Vês, é mesmo na porta ao lado. Podias aparecer para beber uma cerveja, ou uma cola. Ou para ficar o resto da tua vida." página 166

"- Não tens que me acompanhar até à porta ao lado, Bo.
- Claro que tenho. Pode haver ladrões. Ou extraterrestres. Nunca se sabe.
(...)
- Vai para casa.
- Se calhar, agora devias acompanhar-me a casa. Tu é que és da polícia." página 226

"(...) - Ei! Tomaste a vacina do tétano ultimamente? Adoro dar essas.
(...) - Seria melhor se lhe perguntasse a ela.
- Seria melhor se eu não ajudasse o Xander a segurar-te enquanto ele te faz um exame à próstata.
- Esses é que são mesmo divertidos. - concordou Xander." página 289

Podem reler a sinopse no Doce do Momento a Duas.

Blue Smoke



Título Original - Blue Smoke
Edição - Novembro 2011
ISBN - 9789897100192




28 de janeiro de 2013

Primeiras Impressões: "Prometo Amar-te" de Melissa Hill por Mafi



Mais um romance que chegou a casa, empréstimo da Vanessa do blog Bloco de Devaneios! Obrigada V! ;) 

O Título:

Revela o que nós já esperamos que o livro seja! Uma história muito bonita de amor, daqueles que duram para sempre

A Capa:

Como sempre, a Quinta Essência é bem cuidadosa com as suas capas por isso é impossível não achar esta capa bonita!! Se bem que já estou farta de flores nas capas..isto deve haver competição entre a QE e a SDE para ver quem consegue meter mais flores. A capa da mulher a mostrar a bocarra toda também não me agrada muito, apesar de ter uma dentuça de fazer inveja (suspeito que seja uma placa)! O que eu gosto é mesmo daquele cartãozinho com a fita, no qual também aparece na contracapa, acho mesmo amoroso!

A Sinopse:

Nem li, nem vou ler. É o primeiro livro que leio da autora e quero ir à descoberta!

A Paginação:

Para um livro de quase 450 páginas, o tamanho da letra até está muito bom! 

Dúvidas/Expectativas:


Como vai ser uma estreia, as expectativas nem são altas nem são baixas...são medianas porque não sei o que esperar da autora, espero gostar! 


Opinião Histórica: "Água aos elefantes" de Sara Gruen



Editado pela falida Difel e esgotado em todo o lado, depois de ouvir tantas críticas positivas e com a chegada da adaptação em filme, a única opção que me restava para ler este livro era ir buscá-lo à biblioteca. Felizmente o único exemplar disponível na rede de bibliotecas de Lisboa estava disponível e foi com grande ansiedade que comecei a ler este romance de estreia de Sara Gruen. 

Água aos ElefantesEu não sou grande apreciadora, de circo, aliás não gosto mesmo nada do circo, não acho piada e custa-me ver ali os animais,fora do seu habitat natural, mas gostei muito do livro, mostra como se vivia no circo, naquela época. Ao contrário de hoje em dia, os circos eram transportados em comboios  actualmente é em camiões gigantes. o que parece que não mudou foi os maus tratos aos animais que ainda hoje continuam a acontecer em vários circos e infelizmente este livro acaba por ser bastante contemporâneo aos dias de hoje.

Passando ao que achei do livro, só posso dizer que está mais que recomendado. Nele acompanhamos a vida de um jovem veterinário, Jacob que depois da morte dos pais, vê a sua vida sem qualquer rumo, entrando assim no mundo circense sem qualquer experiência. Aí trabalha como veterinário e apaixona-se por Marlena,  a mulher do chefe do circo, August que tenta gerir o seu circo durante a Grande Depressão. O livro para além de retrar bem o  o ambiente de magia e de espectáculo vivido num circo, mas também, a luta pela sobrevivência, as dificuldades dos itinerantes e a forma como eram tratados os animais, relata também uma bela história de amor proibida entre jovem tratador de elefantes e a estrela da companhia,a Marlena. que acaba por ter um final feliz. Sara Gruen tem o dom da escrita e criou um enredo harmonioso e mágico, como um verdadeiro circo.

Como disse, infelizmente o livro encontra-se esgotado em todo o lado e sendo a ASA a nova casa editorial da autora, só me resta aguardar por uma nova edição! Da autora tenho ainda  "A Casa dos Primatas" que terá opinião brevemente. 


«Senhoras e senhores, meninos e meninas, o espectáculo vai começar!»

Apesar de não falar delas, as recordações ainda habitam a mente do velho Jacob Jankowski. Recordações dele próprio quando jovem, lançado pelo destino para um comboio vacilante que hospedava o Benzini Brothers, o Maior Espectáculo da Terra.

Estava-se nos primeiros anos da Grande Depressão e para Jacob, agora com noventa anos, o mundo do circo relembra-lhe simultaneamente a sua salvação, mas também um inferno real. Na altura, ele era um veterinário recém-licenciado, que foi encarregado de tratar de Rosie, a coqueluche do circo, um aparentemente indomável elefante-fêmea que era a grande esperança deste circo de terceira categoria. Foi aí que Jacob conheceu Marlena, a bela estrela do número equestre, casada com August, o carismático, mas malvado, treinador de animais. O laço nascido no seio deste trio improvável era um laço de amor e de confiança e, em última instância, a sua única esperança de sobrevivência.

Surpreendente, tocante e divertido, Água aos Elefantes é um daqueles raros romances com uma história tão cativante que o leitor fica relutante em pousá-lo; com personagens de tal forma aliciantes que continuam a viver muito depois da última página ter sido virada; com um mundo construído com prodígio, um mundo tão real que o leitor começa a respirar o seu ar.

Water for ElephantsTítulo Original: Water for Elephants
Edição: 2008
ISBN: 9722908790


Pilha Cerebral: "Ingredientes do Romance"




Doçura, segredos, amigas, ternura, amor, erros, praia, desejo, noite, família, caprichos, perípécias, esquecimento, coração, adeus e sonhos são os ingredientes mais utilizados em qualquer romance. 
Aqui está o resultado final dessa mistura explosiva, verdadeiras guloseimas que são devoradas num instante!

8 livrinhos saboreados e 8 ainda por saborear!

Quantos já leram? 

Opinião Histórica: "Um Verão Inesquecível" de Mary Balogh


Iniciando nesta série com uma desilusão, Mary Balogh agora surpreende-me e compensa tudo o que pensei no primeiro livro. Adorei conhecer Kate, Gwen, Kit, a avó de Kit e muitos outros.
Mary Balogh apresenta-nos e volta-nos a presentar "velhos" e "novos" personagens que vão fazer a delícia das mais românticas, das mais aventureiras e até das mais seduzíveis. Sim, porque aquele Kit não brinca em serviço e começa logo com uma luta, com um beijo e uma troca de olhares. Com quem é que já não vou dizer!
Gostei particularmente do verão que nos é descrito e que ocupa a maior parte do livro, mas o final foi de facto o mais esperado e que não desiludiu em nada.
Achei que as "aventuras" de Kate não foram assim nada de tão especial, mas tendo em consideração a personalidade, a vida e o Passado acaba por se adequar.
Em relação à personagem vilã, que neste caso é feminina, de nome Freyja, e muito suave, confesso que atingiu o objectivo - irritar-me e fazer-me detestá-la. Não tenho grande curiosidade em ler um livro com ela como protagonista, mas já sei que Mary Balogh o fez... 
Gostaria, pelo contrário, de ler a história de Gwen. Sinceramente imaginei-a logo formando par com o irmão desfigurado de Kit, mas também sei que isso seria demasiado óbvia. Talvez com o irmão de Freyja! Veremos e esperemos.
Por fim, o que menos gostei, foi mesmo a atitude de Kate perante o amor de Kit. Mary Balogh consegui perfeitamente transmitir a evolução da afeição de Kit, mas por outro lado não consegui captar o mesmo da parte de Kate, principalmente quando a auto-estima dela estava sempre em baixo e ela sempre a defender que Kit ficava bem "emparelhado" com a vilã.

Kit Butler é um dos mais afamados solteirões de Londres, casar é a última coisa que lhe passa pela cabeça. Mas a sua família tem outros planos. Para contrariar o casamento que o pai lhe arranjou, Kit precisa de encontrar uma noiva... e depressa. Entra em cena Miss Lauren Edgeworth. Lauren foi abandonada em pleno altar pelo seu noivo, Neville Wyatt. Destroçada, decide que não voltará a passar pelo mesmo: nunca casará. O encontro entre estas duas forças da natureza é tão intenso como uma tempestade de verão... e ambos engendram um plano secreto. Lauren concorda alinhar na farsa em troca de um verão recheado de paixão e aventura. No final, ela romperá o noivado - o que afastará possíveis pretendentes - deixando-os a ambos livres. Tudo corre na perfeição, até que Kit faz o impensável: apaixona-se por Lauren. E um verão já não é suficiente para ele. Mas o tempo não para e Kit sabe que terá de apelar a mais do que as suas vulgares armas de sedução para conseguir convencer Lauren a entregar-lhe o seu coração... na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, para o resto das suas vidas.

A Summer to Remember (Bedwyn Prequels #2)



Título Original - A Summer to Remember
Edição - Agosto 2012
ISBN - 9789892320021




27 de janeiro de 2013

Primeiras Impressões: "O Homem Misterioso/Um Encontro Passageiro" por Ne



Aqui está mais um livrinho, contributo da Maguida Ribeiro para a minha mini-biblioteca.

O(s) Título(s):

O Homem Misterioso alimenta mais a minha curiosidade do que o Um Encontro Passageiro. Este último faz-me pensar num encontro de passagem na rua, tipo toque de ombros na passadeira, uma troca de olhares e pronto... mais nada. Enquanto que o outro já me leva a pensar num stalker (agora aprendi esta palavra já não quero outra coisa eheh).

A Capa:

Não é a cara chapada do Josh Hartnett? Pelo menos é parecido digam lá.
Já tive uma paixoneta por ele, depois de o ver no Pearl Harbor, mas pronto... voltando ao livro.
Rosas e um jovem-adulto a olhar-te de soslaio? Quem é que resiste?

A(s) Sinopse(s):

O Homem Misterioso, que afinal se chama Ian Carlisle (flash do Twilight), parece-me ser uma pequena história cheia de tensão sexual. Espero que, como diz a sinopse, tem a ver com locutor e ouvinte, seja algo com muitos diálogos desafiantes e cheios de provocação.
Um Encontro Passageiro afinal nem algo tão passageiro assim, mas algo que dura uma noite. Esta sinopse pareceu-me um pouco mal escrita, principalmente por causa das últimas frases...

A Paginação:

O normal e felizmente não é daqueles livros que chegamos a meio e temos que o virar ao contrário e começar do inicio para lermos a segunda história.

Dúvidas/Expectativas:

Tenho mais esperanças em relação à história de Janelle Denison, como já devem ter reparado. Em relação à outra... hum... tenho as minhas dúvidas.

Opinião Contemporânea: "Férias em Roma" de Gemma Townley



Peguei neste livro apenas por a autora ser irmã da Sophie Kinsella, a única autora (chick-lit) que me consegue fazer rir às gargalhadas! Mas Gemma Townley não tem o mesmo talento que a irmã, pelo menos para criar histórias e personagens com carisma. Achei a escrita parecida com a da Sophie o que me surpreendeu mas a história é banal e a Georgie não chega nem aos pés da Becky Bloom apesar de as duas serem despassaradas, divertidas e românticas. Pois apesar de a Becky ser infantil, os seus consumos e pensamentos fazem sentido por ela ser assim, com Georgie não,  ela apenas tem a cabeça nas nuvens porque sim, pois qual será a razão que a leva a ir para Roma com o ex-namorado se tem um namorado perfeito?
Férias em RomaEu até gosto de um bom chick-lit, ou seja aqueles livros ocos que não nos dizem nada mas que acabam por nos divertir. Não acho que seja considerada leitura barata nem nada do género, apenas por não me porem a pensar não quer dizer que não possam ser apreciados não é? Mas como disse, a única autora que me agradou, do pouco chick-lit que li, foi a Sophie Kinsella que tem um talento e humor inigualável. Quanto à sua irmã e a este livro, posso dizer que é um leitura leve, fluída e muito rápida. Não a considerei divertida e até pode irritar vários leitores, se não gostarem de protagonistas com queda para o drama. Georgie, a personagem principal acaba por ser o desastre do livro achando que tem sempre razão em tudo e querendo a atenção toda só para si. Acaba por se tornar numa figura infantil e sem limites para atingir os seus objectivos carregados de parvoíce e muita imaginação. Apenas nas últimas páginas é que vemos e Georgie agindo como adulta e a tomar as suas próprias decisões, tirando isso o resto do livro é cliché.

Se querem uma leitura leve, este é o livro adequado. Se procuram algo divertido, leiam Sophie Kinsella, é muito melhor! 


Um namorado amoroso, um ex-namorado deslumbrante e umas férias de sonho na Cidade Eterna: Georgie Beauchamp nem acredita na confusão em que se envolveu. Neste romance divertido e surpreendente, encontrará todos os ingredientes clássicos da comédia romântica: amor, paixão... e capuccino!

Quando Mike convida a sua ex-namorada para passar um fim de semana em Roma, a decisão não é difícil de tomar e, antes que consiga terminar de dizer amore já Georgie está de partida com a cabeça inundada de planos românticos. Porém, quando Daniel, o namorado surge inesperadamente em Roma, os dias românticos tornam-se complicados.

When in Rome...: A Novel of Piazzas and PassionTítulo Original: When in Rome
Edição: 2005
ISBN: 9789896130374