19 de dezembro de 2012

Opinião Sobrenatural: "A Iniciação" de Jennifer Armintrout


Desde que a capa me cativou, e o mesmo não posso afirmar quanto à sinopse, que queria ler o livro. Tanto que o comprei a ele e aos dois seguintes. Finalmente consegui pegar nele!
Ora bem, no geral achei o livro bastante cómico e cheio de acção. Do inicio ao fim, acontece quase tudo à protagonista, desde tentar sobreviver e afirmar-se no meio de internos sedentos de atenção, a ser desmoralizada pelo chefe, atacada por um vampiro, morrer no bloco operatório, sobreviver, encontrar outro vampiro, encontrar uma bruxa, que por sua vez a esfaqueia, etc etc etc... Poderia aqui estar o resto da manhã e mesmo assim não diria todos os acontecimentos que recheiam esta obra. Isto é sem dúvida um ponto positivo, porque de monótono o A Iniciação não tem nada.
O mesmo posso dizer de Carrie. Esta personagem principal é bastante inconstante e caricata, muito diferente de outras dentro do género. Arma-se em heroína muitas vezes, mas na outra parte do tempo ou está a ser esfaqueada, esventrada ou abusada. Resumindo, ou é muito cobarde ou é muito estúpida. Além disso, começa o livro a afirmar as suas convicções para a vida, mas logo depois começa a sua auto-destruição e a mostrar que afinal não é talhada para ser médica, acabando mesmo por o deixar de ser. Na própria sinopse diz que não é cobarde, mas por inúmeras vezes suplica por perdão e clemência - o que me deixou um pouco perplexa perante estas mesmas cenas. Nunca tinha encontrado semelhante personagem! Apesar de parecer tudo um pouco estranho, digo que isto tem o seu quê de originalidade, a meu ver, e me faz querer acompanhar as suas restantes aventuras e peripécias.
Outra personagem que me agradou bastante foi a Dahlia. Quando ela surge não nos passa pela cabeça a importância que ela vai ter na história. Tal como Carrie, também vai ser pontapeada e mal tratada, mas ao contrário da personagem principal, esta tem uma personalidade muito mais forte e marcante, e que irá acompanhar a restante saga com grande importância. Mais uma vez estarei cá para assistir.
Infelizmente, os elogios terminam aqui, por enquanto. Jennifer Armintrout mostrou-se bastante boa na arte de criar personagens diferentes, divertidas e únicas, mas falhou redondamente na ligação entre elas. Tanto a nível romântico como a nível familiar, não havendo convicção ou boas descrições que transparecessem os sentimentos que daqui resulta, ou deviam resultar. As relações entre o trio amoroso são demasiado distantes e forçadas, principalmente as cenas de sexo e a relação com o primeiro progenitor, que se torna um pouco artificial de tanto se referir ao laço de sangue. Ficamos sem saber se a protagonista se sente atraída por ele de verdade ou não, mesmo até ao final do livro.
Apesar de ser o primeiro livro (e estou a espera de mudar de opinião nos próximos), o movimento constituídos por vampiros que matam outros vampiros não me pareceu estar muito bem construído ou explicito, apesar da "bíblia" e das muitas explicações e personagens a ele ligadas.
Terminando, uma das minhas cenas preferidas, e correndo o risco de soar um pouco mórbida e sem coração, foi a morte do Jimmy. Não pela morte em si, mas sim pelo inesperado e situação pouco óbvia.


Eu não sou cobarde. Quero deixar isso bem claro. Mas, depois de a minha vida se transformar num filme de terror, passei a levar o medo muito mais a sério. Tinha-me tornado na Dra. Carrie Ames apenas há oito meses, quando fui atacada na morgue do hospital por um vampiro. Haja sorte. Por isso agora sou uma vampira e descobri que tenho um laço de sangue com o monstro que me criou. Este funciona como uma trela invisível, pelo que estou ligada a ele, independentemente daquilo que faça. E, claro, ele tinha de ser um dos vampiros mais malévolos à face da Terra. Com o meu Amo decidido a transformar-me numa assassina sem escrúpulos e o seu maior inimigo empenhado em exterminar-me, as coisas não podiam ser piores – só que me sinto atraída pelos dois.
Beber sangue, viver como um demónio imortal e ser um peão entre duas facções de vampiros não é exactamente o que tinha imaginado para o meu futuro. Mas, como o meu pai costumava dizer, a única forma de vencer o medo é enfrentá-lo. E é isso que irei fazer. Com as garras de fora.




Título Original - The Turning
Edição - Julho 2010
ISBN - 9789895577446





Sem comentários:

Enviar um comentário

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!