22 de dezembro de 2012

Opinião Histórica: "A Última Carta de Amor" de Jojo Moyes



Podem ler a opinião da Ne, aqui.

Este livro, da autora Jojo Moyes entrelaça duas histórias entre o passado e o presente. 

Começando pelo passado, pois é a partir daqui que chegamos ao presente, estamos em Londres, na década de 60. Jennifer Stirling acorda numa cada de hospital, depois de sofrer um acidente de carro, e de não se lembrar de nada. Fica surpreendida por ter um marido e por ser uma mulher conceituada na sociedade. Após várias tentativas de lembrar-se quem era antes do acidente, Jennifer decide que tudo voltará a ser como dantes, apenas tem de dar tempo ao tempo. 

Ao vaguear pela casa, descobre uma dúzia de cartas endereçadas a si, e assinadas por um tal 'B'. Depressa apercebe-se que é um antigo amante e pode ser a única esperança para recuperar algumas memórias da sua antiga vida. 

Estas cartas vão ser a ligação com o presente, quarenta anos depois, 2003, temos Ellie, uma jornalista razoavelmente bem sucedida mas que devido a manter um caso amoroso com um homem casado, tem desleixado a sua vida profissional. No arquivo do jornal, encontra várias cartas perdidas, e emocionada pela história de amor presente nas cartas, tenta descobrir o que é feito dos protagonistas deste romance, desejando reuni-los. 

Através de Ellie, Jennifer e 'B', abreviatura de Boot vão voltar a encontrar-se e reviverão um amor que os separou. 

A sinopse deste livro é boa, achei a história minimamente credível e as personagens interessantes. Apenas pecou por se tornar um pouco confuso, algo normal em tramas que tenham uma linha temporal vários anos, e por vezes senti-me perdida entre o passado de Jennifer e o presente de Ellie, apesar de o livro estar divido em 3 partes: presente de Ellie, passado de Jennifer, presente das duas personagens, mas mesmo assim o livro não estava bem organizado.

Gostei muito da história da Jennifer e do Boot, mas achei que o reencontro dos dois fosse mais emotivo. A história da Ellie com o John (um homem casado) não me entusiasmou, e esperava que não ficassem juntos. Mesmo assim é um bom romance, onde mostra que por mais tempo que passe, há amores que nunca morrem. 

Inglaterra, 1960. Quando Jennifer Stirling, uma mulher de vinte e sete anos, acorda no hospital, após um trágico acidente de automóvel, não tem qualquer lembrança da sua vida passada. Não reconhece o marido, não recorda a sua própria casa e tão-pouco se identifica com a vida que lhe dizem ser a sua. Quando encontra uma carta apaixonada, escrita por um homem que assina apenas «B» e que lhe pede para abandonar o marido, irá a todo o custo tentar descobrir a identidade desse homem, enquanto enfrenta os preconceitos sociais estabelecidos.
Anos volvidos, em 2003, uma outra mulher, Ellie, descobre nos arquivos poeirentos do jornal onde trabalha a mesma carta enigmática. Fica de imediato obcecada pela história, que lhe permitirá escrever um artigo que relance a sua carreira e talvez até a ajude a lidar com a sua própria vida amorosa. Afinal, se aquela história tiver tido um final feliz, quem lhe garantirá que o homem com quem se envolveu não acabe também por deixar a mulher?
Uma história de amor apaixonante e arrebatadora, com um final absolutamente inesperado.





Título Original - The Last Letter from your Lover
Edição - Junho 2012
ISBN - 9780670022809

4 comentários:

  1. Tenho este livro para ler e ando a ganhar coragem e a ver se aranjo mais tempo para ler.. Mas a opinião aqui deixada ainda me deu mais vontade de pegar nele.:)

    Parabéns ao blogue. Está muito bom;)


    Teresa Araújo
    http://romances-de-mesinha-de-cabeceira.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Teresa!

      Pela pontuação não foi dos meus preferidos, mas aqui a Ne adorou e pode colocar a opinião dela ;)

      Eliminar
    2. Estará para breve de certeza. Mas a Teresa já está convencida eheh

      Eliminar
  2. Ainda não sei se gostei do livro. Gostei do final, mas da historia mesmo..não sei. É uma história de amor com muitas complicações, mas igual, a ideia não é essa?, deixar voar a imaginação?. O que sim me deixou pensando muito foi na questão da infidelidade, de como não vale a pena, porque todo mundo sai perdendo. Elle conseguiu ver isso no final, e transformar sua vida, e realmente John estava com ela só pelo fato de que ele é infiel, não por ama-la. Mas é diferente do caso de Jennifer e B, que apesar de todas as circunstancias da vida, eles se amaram até o final, claro, tiveram uma vida não muito feliz. Ainda continuo pensando sobre o livro, terminei ontem...

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!