28 de dezembro de 2012

Opinião Histórica: "Na Noite" de Kathryn Smith


Pela classificação e pela minha frase preferida já podem adivinhar o que aí vem! Coisas boas.
Devo avisar que não é um romance nadaaaaa por aí além, mas Kathryn Smith soube escrever as coisas e por isso temos que lhe dar o mérito devido.

Comecemos por Wynthrope Ryland, cujo nome é tão difícil de ler como de dizer. Este homem charmoso é o segundo de quatro irmãos, ladrão e muito menosprezado pelo pai falecido. Como não conheço a história de mais nenhum irmão e dois deles já se apresentam bem casados e mui felizes, fiquei logo com a ideia que este também não sairia muito do mesmo.
Na Noite (Ryland Brother, #4)Aqui, claro que está, não posso deixar de demonstrar, pela milésima vez, a minha indignação por estas escolhas infelizes das editoras e por publicarem um livro que é o quarto de uma saga de cinco (?)! Já prometi a mim mesma que por mais bonita que a capa seja, por mais cativante a sinopse me pareça eu não irei gastar o meu dinheiro nem o meu tempo a ler sagas pelo meio. Será que não têm noção de quanto isso prejudica a leitura da obra? Do conhecimento das restantes personagens? É muito incomodo ter constantemente a sensação que nos está a falhar qualquer coisa. Apesar da história ser compreensível, aquela base e aquele inicio fazem sempre lá falta!
Mas a autora e o livro não têm culpa e por isso desta vez dei o número de estrelas sem ter isso em conta.

Voltando ao nosso casal do momento...depois de uma troca de olhares muito importante, Wyn começa a cortejar a bela mas tímida e com a mania que é gorda e feia Moira. Há toda aquela química, com um pouco de ciumes da irmã mais nova de Moira pelo meio, mas tudo corre bem para o ladrão e a sua viúva virgem.
Aqui tenho que referir que a história de Moira não é a mais original, visto já ter encontrado semelhante caso no livro Escravos da Paixão, apesar de terem desenvolvimentos diferentes. De qualquer forma, gostei da animosidade de Moira em relação à restante família, tal como da posterior demonstração do não-afecto existente entre mãe e filha e da acção de Wyn na hora H.

É portanto um romance subtil, sem grandes pormenores históricos, de cenários ou de personagens que nos tenta guiar e mostrar um romance típico da época, com os seus bailes, casamentos por conveniência, amantes, viúvas e debutantes. Mostra-nos também relações familiares e de circunstância, mas principalmente, trata-se de um amor à primeira vista e improvável que vai surpreender tudo e todos, incluindo o próprio casal.

Como sempre coloco-me no lugar das personagens principais, e devo dizer que o papel de Wyn para com a tarefa que lhe é colocada é bastante difícil e recheada de opções contraditórias e obstáculos.
Ele teve que fazer o que fez e louvo-o por isso.

Em relação à escritora, vou querer sem dúvida começar esta saga dos irmãos Ryland do inicio e acabar... no fim.
Frase Preferida:
"- Não é a minha perspicácia que é veloz, querida irmã, mas sim a minha língua." página 63


Wynthrope Ryland é um experiente ladrão que usa o seu charme junto de mulheres bonitas e com posses para conseguir os seus bens valiosos. No entanto, essa vida de crime não é a que deseja para si e, quando jurou deixá-la, eis que tem de cometer um último crime para proteger a carreira e a família do seu irmão North. Moira Tyndale, uma imponente viscondessa, é o seu último alvo. Porém, quando o descobre já uma profunda ligação os une. Wyn percebe que não pode mais ignorar a sua paixão. Deve proteger os seus segredos e o seu passado, mas não pode protegê-la de si mesmo. Como pode ele escolher entre o desejo do seu coração e a segurança do seu irmão?






Título Original - In The Night
Edição - Setembro 2012
ISBN - 9789722049122

Sem comentários:

Enviar um comentário

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!